Personagens da Bíblia Sagrada: Pedro

0
40

Dando sequência ao nosso estudo, tendo em vista que fizemos um texto sobre a vida do personagem Moisés, que teve uma atuação marcante durante a retirada do povo hebreu da escravidão egípcia (Antigo Testamento). Segundo afirma Orlando Spencer Boyer (1999), ele foi o maior vulto do Antigo Testamento.

Agora, iremos apresentar alguns detalhes importantes acerca da vida de outro personagem marcante, mas muito controverso em suas atitudes, chamado Simão Pedro, estando registrado no Novo Testamento (NT). Antes, achamos interessante inserir logo nesta introdução, o significado de seu nome nos idiomas aramaico, grego e hebraico. Em grego, Pedro significa Pedra ou Rocha. No aramaico, não se denomina seu nome com a mesma grafia, mas sim, “Cefas”, embora tenha mesma significação, isto é, Pedra ou Rocha.

Outro detalhe que consideramos interessante, pauta-se por seu nome ser apresentado no idioma hebraico, como sendo Simão, que comporta o significado de “aquele que ouve ou ele ouviu”. Também é visto nos textos Bíblicos, o uso de seu nome na forma composta: “Simão Pedro”.

Do nome Simão, originou-se outro nome, Simeão (da raiz Shimon e Shamá). Alguns historiadores e teólogos, dizem que quando Jesus percebia que o estado dele era de fragilidade e demonstrava insegurança (ou alguma dúvida), o chamava por Simão Pedro:

João 13:6-9. Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, tu lavas-me os pés a mim? Respondeu Jesus e disse-lhe: O que eu faço, não o sabes tu, agora, mas tu o saberás depois. Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu te não lavar, não tens parte comigo. Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça.

Quando Ele queria dar-lhe encorajamento para que tivesse firmeza e confiança, costumava chama-lo de Pedro ou Cefas: “Era André, irmão de Simão Pedro, um dos dois que ouviram aquilo de João e o haviam seguido. Este achou primeiro a seu irmão Simão e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Cristo). E levou-o a Jesus. E, olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro; João 1:40-42)”.

Lucas 22:31-32. Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo. Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos (sublinhamos).

Deste segundo texto, vale ressaltar que o Senhor pode permitir que sejamos tentados, mas esta ação será limitada por Ele, como foi no caso de Jó: “E disse o SENHOR a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem sincero, e reto, e temente a Deus, e desvia-se do mal. (…). Mas estende a tua mão, e toca-lhe em tudo quanto tem, e verás se não blasfema de ti na tua face! E disse o SENHOR a Satanás: Eis que tudo quanto tem está na tua mão; somente contra ele não estendas a tua mão (noutra tradução: somente não lhe tire a vida). E Satanás saiu da presença do SENHOR” (Jó 1:8,10-11).

Vale ressaltar, que o nosso Deus quando assim o faz, isto é, permite que venha a tentação (ou provações), Ele também já aprovisiona o nosso escape: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis (limite humano); antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” (1 Coríntios 10:13).

  1. Antes da Crucificação de Jesus Cristo:

Segundo registro nos textos Bíblicos, Pedro residia na região da Galileia, que significa “Circuito”, ou seja, era uma região composta de várias cidades ou vilarejos: ”(…), ele O negou outra vez. E, pouco depois, os que ali estavam disseram outra vez a Pedro: Verdadeiramente, tu és um deles, porque és também galileu” (Marcos 14:70). Antes de se casar, Pedro morava com seu pai e seu irmão André, na cidade de Betsaida.

João 1:40-41,43-44.  Era André, irmão de Simão Pedro, um dos dois que ouviram aquilo de João e o haviam seguido. Este achou primeiro a seu irmão Simão e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Cristo). No dia seguinte, quis Jesus ir à Galileia, e achou a Filipe, e disse-lhe: Segue-me. E Filipe era de Betsaida, cidade de André e de Pedro.

Pedro e seu irmão André, eram pescadores. Viviam consertando as redes de pesca e acertando os detalhes de seu barco, para poder avançar mar a dentro para pescarem. Posteriormente, ele foi morar na cidade de Cafarnaum, provavelmente após ter se casado.  

1 Coríntios 9:5-6. Não temos nós direito de levar conosco uma mulher irmã (noutra tradução: levar nossa mulher), como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas? Ou só eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar? (acréscimo nosso).

Segundo relata a narrativa das Escrituras Sagradas, ele não tinha tanto estudo enquanto vivia em sua rotina diária de pescaria. Com o decorrer do tempo, vieram alguns acontecimentos que promoveram grandes mudanças na vida deste personagem.

1.1 – Condutas e Procedência: Ele tinha um comportamento que demonstrava muita ousadia, intrepidez, coragem e valentia. Ou, para alguns, era muito exibido, querendo se destacar perante outras pessoas. Outras pessoas afirmam de que era sanguíneo (relacionado aos tipos de temperamento: colérico, fleumático, melancólico ou sanguíneo), isto é, era muito afoito e precipitado.  

  1. Corajoso: andou sobre as águas do mar: “Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu, não temais. E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas. E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus” (Mateus 14:27-29);
  • Valentia: um dos discípulos de Jesus, de nome Judas, fez um acordo com alguns homens de Jerusalém, que O entregaria se lhe dessem dinheiro. Sendo assim, estando Jesus no monte, juntamente com os outros discípulos, foram surpreendidos por sacerdotes, anciãos e soldados romanos, com intuito de prendê-lo: “Então Simão Pedro, que tinha espada, desembainhou-a, e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. E o nome do servo era Malco” (João 18:10).

Noutra passagem bíblica, ele disse que morreria por Cristo: “E ele lhe disse: Senhor, estou pronto a ir contigo até à prisão e à morte. Mas Jesus lhe disse: Digo-te, Pedro, que não cantará hoje o galo antes que três vezes negues que me conheces” (Lucas 22:31-34).

c) Ousadia: “Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém e padecer muitas coisas dos anciãos, dos principais dos sacerdotes, dos escribas, ser morto e ressuscitar ao terceiro dia. E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso. Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens” (Mateus 16:21-23);

d) Oscilante: negou a Jesus três vezes: “Então a coorte, e o tribuno, e os servos dos judeus prenderam a Jesus e o maniataram (…). Então a porteira disse a Pedro: Não és tu também dos discípulos deste homem? Disse ele: Não sou (…). E Simão Pedro estava ali, e aquentava-se. Disseram-lhe, pois: Não és também tu um dos seus discípulos? Ele negou, e disse: Não sou (…). E um dos servos do sumo sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha, disse: Não te vi eu no horto com ele? E Pedro negou outra vez, e logo o galo cantou” (João 18:13,21,25-27).

Nestas e noutras passagens Bíblicas, poderemos observar comportamentos totalmente opostos duma mesma pessoa. Só para destacar, ele arranca a orelha de Malco no Getsêmani que significa “prensa de azeite”, no momento em que os soldados, juntamente com Judas Iscariotes prendem Jesus. Pouco tempo depois desta prisão, ele O nega por três vezes.

1.2 – Como se deu o início de sua Conversão?

Ele, juntamente com seu irmão André, em um certo dia, estava preparando o barco e as redes para irem pescar. De repente, Jesus aparece e dialoga com eles, convidando-os para que largassem tudo e O seguissem. Eles assim o fizeram.

Mateus 4:12-13,17-20. Jesus, porém, ouvindo que João estava preso, voltou para a Galileia. E, deixando Nazaré, foi habitar em Cafarnaum, cidade marítima, nos confins de Zebulom e Naftali. (…).  Desde então, começou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus. E Jesus, andando junto ao mar da Galileia, viu dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, os quais lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores. E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. Então, eles, deixando logo as redes, seguiram-no.

Ele e seu irmão, foram os primeiros a serem chamados por Jesus. Logo depois, Tiago, João e outros homens. No entanto, Pedro, Tiago e João, estavam sempre na companhia do Mestre Jesus, presenciando momentos e atuações importantíssimas durante seu ministério terreno. Dos doze que foram chamados e escolhidos por Ele, esses três eram os mais próximos de Jesus.

a) Pedro, Tiago e João, estiveram no Monte da Transfiguração: “Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte. E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz” (Mateus 17:1-2);

b) Pedro, diante da pergunta feita por Jesus, respondeu corretamente: “Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. (Mateus 16:13-17);

c) Questionou Jesus, por que tinham abandonado tudo por causa d’Ele: Após Jesus ter um diálogo com um Jovem Rico (cf. Lucas 18:18-25), sendo presenciado por seus discípulos, Ele diz que é muito difícil um rico entrar no céu. Logo em seguida, disse Pedro: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos” (verso 28). Em outras palavras, mas e nós que deixamos tudo para segui-LO? Ele o tranquiliza, dizendo-lhes: “(…): Na verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou pais, ou irmãos, ou mulher, ou filhos pelo Reino de Deus e não haja de receber muito mais neste mundo e, na idade vindoura, a vida eterna” (versos 29-30). Noutra tradução, “receber cem vezes mais (…)”;

d) Recusou-se a deixar Jesus lavar seus pés: “Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, tu lavas-me os pés a mim? Respondeu Jesus e disse-lhe: O que eu faço, não sabes tu, agora, mas tu o saberás depois. Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu te não lavar, não tens parte comigo. Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça” (João 13:6-9);

e) Não conseguiu orar uma hora com Jesus: “Então, chegou Jesus com eles a um lugar chamado Getsêmani e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar. (…). E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; disse a Pedro: Então, nem uma hora pudeste vigiar (orar) comigo? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mateus 26:36,40-41).

  • Depois da Crucificação de Cristo:

  Mesmo depois daquele primeiro encontro com Jesus, quando estava preparando o barco e as redes para pescar, em que ouviu o seu convite para O seguir, largou tudo e partiu. Entretanto, tempos depois, Pedro voltou ao seu ofício de pescador. Acredito que um momento que o impactou e de forma profunda, se deu quando ele O negou pela terceira vez. Vendo Jesus ser preso, amarrado, espancado, carregado para ser julgado por Caifás, seguindo-O de longe.

Marcos 14:53-54. E levaram Jesus ao sumo sacerdote, e ajuntaram-se todos os principais dos sacerdotes, e os anciãos, e os escribas. E Pedro o seguiu de longe até dentro do pátio do sumo sacerdote e estava assentado com os servidores, aquentando-se ao lume.        

Mas, outro momento muito marcante, em que acredito que tocou muito em seu coração e em sua consciência, deu-se no momento em que, após negá-lo pela terceira vez, Jesus olha para ele: “E ele começou a imprecar e a jurar: Não conheço esse homem de quem falais. E o galo cantou segunda vez. E Pedro lembrou-se da palavra que Jesus lhe tinha dito: Antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás tu. E, retirando-se dali, chorou” (Marcos 14:66-72).

  1. Arrependeu-se amargamente: “E, virando-se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou-se da palavra do Senhor, como lhe havia dito: Antes que o galo cante hoje, me negarás três vezes. E, saindo Pedro para fora, chorou amargamente” (Lucas 22:61-62);
  • Pregou ousadamente no dia de Pentecoste: “Saiba, pois, com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos? E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo” (Atos 2:36-38). Depois deste discurso de Pedro, quase 3000 (três mil) almas se converteram;
  • Foi Líder da Igreja de Jerusalém: “Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade? Guardando-a não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus (…). E disse-lhe Pedro: Dize-me, vendestes por tanto aquela herdade? E ela disse: Sim, por tanto. Então Pedro lhe disse: Por que é que entre vós vos concertastes para tentar o Espírito do Senhor? Eis aí à porta os pés dos que sepultaram o teu marido, e também te levarão a ti” (Atos 5:3-4,8-9);
  •  Curou um coxo de nascença na porta do Templo: “E Pedro e João subiam juntos ao templo à hora da oração, a nona. E era trazido um homem que desde o ventre de sua mãe era coxo, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam. (…). E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós. E olhou para eles, esperando receber deles alguma coisa. E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda. E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e artelhos se firmaram. E, saltando, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andando, e saltando, e louvando a Deus” (Atos 3:2-8).
  • Defendeu o direito de pregar as Boas Novas de Cristo: “E, trazendo-os, os apresentaram ao conselho. E o sumo sacerdote os interrogou, dizendo: Não vos admoestamos nós expressamente que não ensinásseis nesse nome? E eis que enchestes Jerusalém dessa vossa doutrina e quereis lançar sobre nós o sangue desse homem. Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens” (Atos 5:27-29);
  • Sua Sombra curava enfermos: “De sorte que transportavam os enfermos para as ruas, e os punham em leitos e em camilhas para que ao menos a sombra de Pedro, quando este passasse, cobrisse alguns deles. E até das cidades circunvizinhas concorria muita gente a Jerusalém, conduzindo enfermos e atormentados de espíritos imundos; os quais eram todos curados” (Atos 5:15-16);
  • Ressuscitou Dorcas em Jope: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando-a, morreu; e tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto (…).  Mas Pedro, fazendo sair a todos, pôs-se de joelhos e orou: e, voltando-se para o corpo, disse: Tabita, levanta-te. E ela abriu os olhos, e, vendo a Pedro, assentou-se” (Atos 9:36-37,40);

h) Martírio e Crucificação: Ele sofreu martírio aproximadamente no mesmo tempo de Paulo, época da perseguição dos cristãos a mando do Imperador Romano Nero. Segundo o historiador Orígenes, ele se sentia indigno de ser morto igual ao seu Mestre. E, a seu pedido, foi crucificado de cabeça para baixo.

          Este mesmo personagem controverso, além de outros feitos milagrosos, como a cura de Enéias, pouco antes da ressurreição de Tabita: “E aconteceu que, passando Pedro por toda a parte, veio também aos santos que habitavam em Lida. E achou ali certo homem, chamado Enéias, jazendo numa cama havia oito anos, o qual era paralítico. E disse-lhe Pedro: Enéias, Jesus Cristo te dá saúde; levanta-te e faze a tua cama. E logo se levantou” (Atos 9:32-34). Ele ainda nos deixou duas Epístolas de sua autoria com riquíssimo conteúdo (1 e 2 Pedro).

          Conclusão

          Este artigo ou texto, com os detalhes da vida de Pedro, faz com que venhamos a entender que, muitas vezes, podemos não começar bem as coisas (a nossa vida com Cristo), mas durante o percurso de nossa caminhada aqui nesta terra, poderemos finalizar de forma excelente: “Melhor é o fim das coisas, do que o princípio delas” (cf. Eclesiastes 7:8).

O nosso pensamento e humilde opinião, pauta-se de que o ideal seria iniciarmos bem (o princípio de nossa vida, de nossa caminhada na terra), darmos boa continuidade no desenvolvimento e no decorrer dos anos de nossa vida, mas de forma bem e tranquila. E, por fim, concluirmos a nossa estada ou permanência por aqui, neste mundo, também de forma bem.

Mas sabemos também, que da mesma maneira como Pedro teve momentos oscilantes em sua trajetória terrena, isso pode ocorrer também conosco. Portanto, amigos e irmãos em Cristo, vamos lutar para que terminemos melhor o nosso serviço ou a nossa caminhada terrena, para que estejamos com o Senhor, independentemente da forma pela qual começamos. Amém!